Auto News Regresso produtivo de Gonçalo Inácio no Rali Vidreiro

Aos comandos de um Peugeot 208 R2, o piloto lisboeta impôs uma toada ‘eficiente’, sabendo poupar a mecânica e os pneus sem perder terreno para os seus adversários. “Foi um rali muito divertido, em que aproveitámos da melhor forma as capacidades do Peugeot 208. O calor que se fez sentir aconselhava a alguma gestão, pois era necessário não destruir os pneus logo nos primeiros quilómetros, e foi isso que fizemos”, começou por explicar Inácio. Logo no primeiro dia de prova a dupla do carro nº47 colocou-se na 3ª posição da classe, aumentando o ritmo no segundo dia. “De facto resultou, e conseguimos subir lugares, tanto na geral como na classe. O contributo do Paulo Marques foi instrumental em todo o rali. É um navegador com muita experiência e, graças à sua boa disposição e abordagem profissional, pusemos em prática uma estratégia que deu os seus frutos, ao mesmo tempo que nos divertimos imenso. Foi um rali simplesmente memorável”, recorda. O piloto apoiado pela Koka, Koala, Wild Motors, Expopneu, BlueSigma, Last Lap, DSC e Palm3, antes de realçar também a prestação da equipa, “que está de parabéns pelo excelente trabalho que fez na preparação e assistência ao Peugeot”.

“Viemos para o Rali Vidreiro com o objetivo de estudar a possibilidade de enveredar por um projeto desta natureza em 2018, e o mínimo que posso dizer é que as perspetivas são muito boas e estou motivado para que isso aconteça. Agora resta continuar a trabalhar para garantir as condições para que o projeto possa avançar na próxima temporada”, concluiu Gonçalo Inácio.