Auto News ETCC: Fábio Mota entusiasmado com regresso ao “Inferno Verde”

A extraordinária pista germânica, com os seus exigentes 25,378 quilómetros e cento e setenta curvas, é um dos ícones mundiais do automobilismo e foi estreada em 1927 de acordo com a visão que Gustav Eifel tinha para uma pista dedicada ao deporto motorizado nos anos 20.

Ao longo das décadas foram muitas as corridas que fizeram vibrar os adeptos de todo o planeta e diversos os pilotos que se destacaram naquela que é considerada a pista mais difícil do mundo – Tazio Nuvolari, Juan Manuel Fangio, Jackie Stewart ou Rudolf Caracciola.

“A versão Nordschleife de Nurburgring é uma pista incrível que testa pilotos e carros até aos seus limites, tendo qualquer erro um preço elevadíssimo. Para além disso, sente-se a carga histórica que detém em cada pedaço de asfalto e os adeptos que costumam estar ao longo do circuito são fervorosos e apaixonados. A experiência do ano passado foi fantástica e estou ansioso por voltar”, apontou Fábio Mota. Na edição de 2016 da ronda de germânica o português da Lein Racing, assistida tecnicamente pela Lema Racing, mostrou-se muito competitivo, tendo na segunda prova estado envolvido na luta pela vitória até à última volta. “No ano passado adaptei-me muito bem ao longo traçado e cheguei a estar envolvido na batalha pelo triunfo na segunda prova, mas sem velocidade de ponta foi difícil manter o comando. Em 2017, temos um carro mais competitivo e toda a equipa tem vindo a evoluir desde Monza, o que me deixa confiante de que poderemos estar na luta pelos lugares da frente nas corridas do próximo fim-de-semana”, afirmou o piloto apoiado pela Würth, Sika, Projectiva, Serafim Marques, Turas, Plastoform, Wetor, Glassdrive, NSS e RM Tech.

O programa da ronda de Nurburgring – Nordschleife da competição que se assume como a antecâmara do Campeonato do Mundo FIA de Carros de Turismo é diferente do habitual, disputando-se a qualificação na sexta-feira e as corridas, em concomitância com as do WTCC, no sábado.